Juíza fala sobre vagas, prazos e organizadora do concurso de escrevente

 

TJ SP - Entrevista: juíza fala sobre vagas, prazos e organizadora do concurso de escrevente
Última Atualização - 16/05/2014
Edital no início do segundo semestre, provas este ano e convocações no início de 2015. Os candidatos que desejam prestar o concurso de escrevente técnico judiciário do Tribunal de Justiça de São Paulo devem estar preparados para seguir este cronograma. Em entrevista exclusiva à FOLHA DIRIGIDA, a juíza assessora da presidência, Maria Fernanda de Toledo Rodovalho, falou sobre os preparativos do novo edital, destacando a agilidade na realização do processo seletivo. Com uma oferta de aproximadamente mil vagas, a juíza revelou que o concurso contará com oportunidades em todas as regiões do estado e que a previsão é de muitas convocações além da oferta inicial. Maria Fernanda falou ainda sobre a escolha da organizadora, conteúdo programático do próximo concurso e validade da última seleção.
FOLHA DIRIGIDA: O presidente do Tribunal de Justiça de São Paulo, desembargador José Renato Nalini, confirmou que o órgão pretende realizar um novo concurso para escrevente técnico judiciário ainda em 2014. Já existe uma previsão para a publicação do edital?
Maria Fernanda de Toledo Rodovalho: Só iremos publicar os editais após o fim dos prazos de validades dos concursos que estão em andamento. Eles terminam em junho, então a partir daí vamos pensar em uma data de publicação. Nós temos que considerar estes eventos em nosso calendário. A intenção é realizar o concurso no início do segundo semestre, para aproveitar este intervalo entre a Copa do Mundo e as eleições.
A previsão então é realizar as provas em 2014?
As provas serão realizadas ainda este ano. Precisamos analisar a questão do calendário de eventos.
Já existe uma definição sobre o número de vagas?
A gente imagina o número de vagas vai ser muito próximo do que foi o concurso anterior, porque esta é a proporção de saídas. Ainda não calculamos o número preciso, mas a oferta será em torno de mil vagas, como foi a do último concurso. Para definir a oferta precisamos terminar o estudo para saber onde estão as baixas.
O concurso contará com oportunidades para todo o estado?
Exatamente. Essa inclusive é uma determinação legal.
Então a validade do último concurso não será prorrogada?
Nós não pretendemos prorrogar a validade do último concurso, pois senão teríamos que fazer um edital com uma oferta fracionada de vagas e não geral como estamos planejando. Em alguns locais as validades já encerraram e em outros as listas estão zerando. Para se ter uma idéia, convocamos 50 aprovados na última lista da capital e somente nove compareceram. Cerca de 20% de todos os candidatos que são chamados não assumem. Esta taxa varia de região para região. O candidato muitas vezes tem um planejamento de participar de diversos concursos, seja em tribunais diferentes ou em estados diferentes e, quando convocamos, ele acaba não assumindo. Vamos aproveitar o maior número de aprovados possível até o fim da validade. Nossa intenção é fazer uma última chamada. A idéia é deixar o quadro ajustado para que nesse tempo em que não tenhamos ninguém para convocar as pessoas possam trabalhar de uma forma confortável.
O maior número de vagas será destinado à 1ª Região Administrativa?
A 1ª Região Administrativa é a mais numerosa e a que necessita mais de escreventes. É natural que o maior número de vagas seja para esta região, que conta com o maior número de comarcas, cartórios e também é a maior em número de processos, por isso a oferta é proporcional.
Em entrevista à FOLHA DIRIGIDA o vice-presidente do TJ/SP, desembargador Eros Piceli, informou que o órgão está ajustando as contas para então abrir o concurso. Quando este processo deve ser concluído?
Acho que conseguiremos concluir este processo já no primeiro semestre. Esse ajuste é importante, pois nele fazemos com que as contas tenham uma situação mais real. A partir do momento que terminarmos este planejamento será possível saber quantos tomaram posse e quantos desistiram, para então chegar a um número preciso para o ajuste de contas. Este levantamento é contínuo.
O Tribunal já definiu organizadora do concurso? A Fundação Vunesp será mantida?
Nós prorrogamos o contrato com Fundação Vunesp, então ela também será responsável pela organização deste próximo concurso. O último foi bem organizado e não tivemos nenhum problema. A Vunesp foi uma ótima parceira, pois conseguiu cumprir os prazos, conseguiu um bom resultado, os candidatos ficaram satisfeitos e toda organização foi satisfatória.
Recentemente tivemos concursos para o Tribunal Regional Federal da 3ª Região e para os Tribunais Regionais do Trabalho da 2ª e 15ª Região, todos com sede no estado de São Paulo. Esses concursos podem atrair servidores do TJ? Isto pode aumentar o número de convocações no próximo concurso?
Não temos como avaliar, pois não cruzamos os dados, mas existe realmente um histórico de saídas. Por isso nós podemos e devemos convocar um número muito maior que o de vagas iniciais, até porque temos muitas saídas. Do tempo em que o TJ/SP realiza o concurso até a época em que os aprovados assumem nos temos muitas baixas no quadro de servidores. Vão acontecer porque as pessoas saem, outras se aposentam e infelizmente algumas morrem, é algo que acaba sendo natural. Também temos os casos de remoção.
Como funciona a remoção?
O candidato precisa esperar um ano para solicitar sua remoção para outra comarca, mas ele tem a possibilidade de permuta, na qual ele troca de lugar com um servidor de outra comarca, casos os dois queiram realizar a mudança.
O último concurso teve uma duração aproximada de dez meses entre a publicação do edital e as homologações. Para este concurso, quando os primeiros aprovados serão nomeados?
Queremos fazer o concurso em um tempo menor. O menor tempo possível. Nós queremos contar com aprovados já no início do ano que vem. O Tribunal de Justiça registra o maior número de aposentadorias no mês de fevereiro, algo que não sabemos ao certo o motivo, mas com base nesse dado pretendemos contar com uma reserva de vagas já em fevereiro. A intenção é realizar todo o concurso em aproximadamente seis meses.
Você afirmou que o concurso contará com vagas para todas as regiões. Neste caso a seleção também será regionalizada, como a última?
O concurso será regionalizado. A vantagem é que temos como uniformizar o concurso, pois o candidato aprovado terá o mesmo nível em todas as regiões do estado, pois passou pela mesma prova e pelo mesmo processo seletivo. Desta forma conseguimos fazer um tribunal que converse entre si de uma maneira mais fácil. O formato regionalizado das inscrições será mantido.
Muitos candidatos estão se preparando com base no último edital. O próximo concurso terá alguma alteração em relação ao conteúdo programático anterior?
O conteúdo programático não terá mudanças em relação ao último concurso. Por ser a mesma organizadora os candidatos podem se basear no último edital.
O último concurso foi realizado em 2012 e irá realizar este agora em 2014. A intenção é manter esse intervalo de dois anos entre as seleções?
Os intervalos entre os concursos dependem muito da carência de servidores e também do perfil do servidor. Se o novo concurso trouxer candidatos que queiram permanecer no cargo e também que conte com uma lista uniforme, na qual os candidatos chamados assumam o cargo, o planejamento vai ser diferente.
O TJ/SP tem outros concursos em planejamento?
Vão abrir concursos para psicólogos e assistentes sociais, que também estão encerrando as validades. Estes concursos ainda estão em planejamento. As últimas seleções para estes cargos foram na mesma época do concurso de escrevente.
Qual mensagem você deixa para quem deseja prestar o concurso de escrevente?
O candidato deve começar a estudar “pra ontem”. É um ótimo local de trabalho onde as pessoas são muito bem vindas e os quadros estão cada vez melhores. Nós estamos com a perspectiva de fazer um tribunal diferente com pessoas que estão engajadas em outro perfil e em fazer outro tipo de administração pública, que conte com a participação do servidor. Queremos pessoas com uma mente renovada.
Fonte: Folha Dirigida